segunda-feira, outubro 03, 2005

Kill Shakespeare




Às vezes gosto de me enfiar dentro da mente de um intelectual da esquerda moderna e arejada. Chego a conlusões interessantes e vejo que poderia perfeitamente escrever coisas assim:
(nota - o texto que se segue é de ficção, o que não quer dizer que não vejam, escritas por aí, coisas parecidas...)

"Se o bater de asas de uma borboleta em Nova Iorque pode provocar tempestades na China, que efeito terão certos livros subversivos nas mentes das crianças, boas selvagens e pré-corruptas pela sociedade cruel?

Já basta de vergonha! Hoje pode-se comprar e ler Mein Kampf em Portugal, embora o nosso movimento de intervenção se tenha batido pela proibição da comercialzação e leitura de tal livro. Contudo é preciso atacar a raiz dos problemas. Hitler não passou de uma criança na China poluída por essa borboleta infernal que dava pelo nome de William Shakespeare. O seu Mercador de Veneza não é mais que um livro anti-semita e xenófobo. É extremamente corrosivo e perigoso e deveria ser retirado dos programas escolares. Aliás os nossos camaradas do ANC na África do Sul já mandaram às urtigas o vergonhoso Othello, obra de cariz racista e discriminatória que todos sabem estar na base do surgimento do KKK e do Aparthaid. Shakespeare foi um dos grandes monstros da humanidade. Nas suas mãos escorre o sangue de milhões de inocentes ao longo dos séculos.
Aquela foto ali em cima é falsa. Não deixem enganar por aqueles ares de Lenine. O bigode é muito mais curto e delimita-se pelo diâmetro do nariz. E que grande jeito dão aquelas golas à século XVI para esconder as inúmeras suásticas que Shakespeare tinha tatuadas do pescoço...

Por isso camaradas, não basta proibir os seus livros subversivos. Não basta combater a apologia da raça ariano-dinamarquesa em Hamlet ou a discriminação das mulheres em Julius Caesar. Temos que seguir o exemplo de Carlos Fabião no PREC. Se Fabião em 1975 proclamava que era preciso ir a Santa Comba enforcar o cadáver de Salazar, nós hoje juntamo-nos aos nossos amigos No Global em Londres e ao Sr. Michael Moore e marcharemos para Stratford uppon Avon para limpar a terra dos seus vermes. Kill Shakespeare!"


Não sei como é que nunca me convidaram para escrever no extinto Anacleto...