quinta-feira, setembro 01, 2005

The rape of democracy IV

No fundo não se travou uma guerra colonial, mas uma guerra civil em que duas visões do mundo se opunham. Um guerra em que os portuguesas participaram entre 1961 e 1974 e da qual sairiam a meio. Os que lutaram ou dialogaram pelos portugueses foram nos últimos 30 anos alvo das mais bárbaras atrocidades e extermínios.

Os chamados libertadores mergulharam esses países na guerra total, trocaram a administração portuguesa por uma ocupação militar de mercenários cubanos em Angola e abandonaram os guineenses ao contrário do que Spínola prometera.

Era isto que Portugal queria evitar, antes de abandonar o Ultramar. A questão é que nem Salazar nem a esquerda radical do Dr. Cunhal queriam entrar para a história como os coveiros do império. A fava saiu a Melo Antunes, Almeida Santos, Rosa Coutinho, Costa Gomes e claro... Mário Soares.