quinta-feira, setembro 01, 2005

The rape of democracy II

Não resisto continuar a aprofundar o post de AMJ sobre as últimas alarvidades do sr. Mugabe. Como português não posso ser indiferente às questões africanas. Esquecê-las é esquecer uma grande parte de nós.

O facto é que talvez seja altura de começarmos a perceber que há sociedades que não são moldadas para viver em democracia. Os países árabes são um exemplo claro. Que fazer quando décadas e décadas após as independências africanas, o número de ditadoreszecos se vai mantendo constante? Uns são estupidamente óbvios aos olhos da comunidade internacional (como Mugabe), outros mais subtis têm formas mais cosméticas de levar a água ao seu moinho (como se prepara para fazer o sinistro Nino Vieira ou como Lula vem fazendo desde há um tempo). Inconscientemente é esta gente que a ONU, o senhor Bono Vox e os manifestantes No-global e Live 8 têm ajudado a manter no poder, insistindo em que se envie cada vez mais dinheiro para África.