terça-feira, setembro 20, 2005

(Pretenso) Sexualismo Científico II

Não posso deixar passar em branco o comentário de LTN ao “ABsEXO”, o novo programa das segundas-feiras à noite na TVI.

A estreia não podia ser pior. Lastimável.

A apresentadora, se a nível técnico-científico ainda se possa discutir se tem valências ou não, de apresentadora nada tem, muito menos para fazer um directo. Desde logo pelo facto de se sentir pouquíssimo à vontade para abordar aqueles temas e utilizar certo tipo de expressões...

Não vou tão longe como LTN ao ponto de dizer que o sexo não deve ser tratado de forma científica, mas pelo menos uma certeza tenho: do modo como foi tratado naquele programa não deve, nem pode! Aliás, a abordagem de cientifica teve pouco, pois aqueles 50 minutos de televisão mais pareciam aulas de iniciação sexual de 5ª categoria.

Senão vejamos.

A certa altura, a Dr.ª Crawford, sexóloga apresentadora, mostra um esboço da parte mais íntima de uma senhora, que como LTN já referiu tinha uma floresta abundante, desde o umbigo até à parte de dentro das ancas, se me faço explicar (que me desculpem os mais sensíveis...). De seguida a Sr.ª Dr.ª tentou ensinar aos portugueses (e a algumas portuguesas, cálculo) a técnica do bem fazer um cunilingus. Começou por referir que a mulher gostava de ser tocada “por todo o lado, incluindo as mamas e isso tudo” (?), acabando, entre outras pérolas, referindo que “durante o cunilingus a mulher deve ser estimulada com o dedo – enquanto exemplificava com o dedo do meio, aquele da asneira feia – não no movimento tira e fora, mas antes no movimento badalo”. Claro está que a esta hora todo o público fazia uma esforço enorme para não rir loucamente, enquanto que os atentos espectadores, como eu, esperavam pela próxima brejeirice da noite.

De seguida foram exibidas entrevistas de rua, que mostraram que em 15 entrevistados, 13 não sabiam o que era um cunilingus e que a resposta de uma Sr.ª que aparentava uns 50 / 60 anos foi: “posso falar em português? Cunilingus é lamber a c***, não é? Se for, gosto muito!!”

Needless to say more.

JFR