terça-feira, setembro 27, 2005

Derby






Dos muitos confrontos de que reza a história dos homens, o mais grandioso de todos nunca chegou a existir. Melhor dizendo, a terminar... Precisamente 500 anos antes da Juventus de Turim e o AC Milan disputarem a final da Liga dos Campões em 2003, houve outro confronto de verdadeiros titãs italianos.

Em 1503 Leonardo Da Vinci é um cinquentão, curioso pela vida, consumido pela ânsia de conhecimento, capaz de ser pintor e patologista, botânico e escultor, cientista e arquitecto. Um visionário que antecipa os aviões e interpreta os fósseis. Já pintou a Virgem dos Rochedos e Última Ceia. Está de regresso a Florença, a signoria propõe-lhe pintar frescos numa das duas paredes da Sala do Cinquecento do Palazzo Vecchio. Da outra parede fica encarregado um jovem escultor chamado Michaelangelo Buonarroti... Esteve em Roma e tinha já esculpido a Pietá e David.

Leonardo e Michaelangelo tinham relações ásperas e a vizinhança não as melhorou. O Gonfaloniere deseja celebrar as duas vitórias militares da República de Florença. Leonardo escolhe a de Anghiari contra o exército de Milão, Michaelangelo a de Cascina. Nenhum dos dois consegue terminar a obra. Leonardo paga caro um nova técnica de pintura e o uso de óleo de linho. Michaelangelo é chamado pelo Papa Júlio II a Roma, para já não voltar.

Depois Leonardo ainda pintaria o retrato da mulher de um tal de Francesco del Giocondo. Michaelangelo pintaria os seus próximos frescos no tecto da Capela Sistina.

Tudo se perdeu? Não! O momento em que Leonordo e Michaelangelo estiveram costas com costas na sala do Cinquecento, marcou o zénite do Renascimento e quem sabe da própria Arte. Talvez o mundo ainda não estivesse preparado para o que eles iriam criar e entregar...

1 Comments:

Blogger BMN said...

Blog muito bom, mas eu estava procurando informações sobre o Teorema de Pitagoras

10:09 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home