quinta-feira, junho 02, 2005

Matrix Pitagórico





Não sei como funcionam outros blogs. Já tenho a minha lista de favoritos, como não poderia deixar de ser, mas não tenho (nem nunca terei) uma cultura blogosférica tão apurada como, por exemplo, a de INF e de LTN, veteranos destas lides e "connaisseurs" não só dos meandros do Admirável Mundo dos Blogs Portugueses como também de muitos dos seus principais protagonistas. Logo, não sei qual o relacionamento pessoal entre, por exemplo, os 12 membros do Barnabé, ou qual o grau de intimidade entre os 11 autores do Blasfémias, ou o que tem em comum Pacheco Pereira consigo mesmo.
Ressalvada a minha ignorância no ponto prévio supra, tenho a crer o seguinte: o Teorema é diferente. Porquê? perguntam vocês, curiosos e algo aborrecidos pela minha petulância retórica. Passo a explicar: o convite para escrever neste blog foi-me endereçado há cerca de 2 meses, tendo, depois de aceite o convite, me sido dadas as amáveis boas-vindas num post em nome dos então 3 fundadores do blog mas assinado por GMM, o "manager" do Teorema. Apesar de ser amigo há vários anos de INF e LTN, na altura desconhecia a identidade de GMM. Fiquei intrigado: GMM existiria ou seria uma entidade suprablogosfera, um mito incorpóreo que fazia as delícias dos comuns mortais como eu quando endereçava convites para integrar o selecto elenco dos Bons Blogs?
Ontem conheci finalmente GMM.
É verdade. Sempre tive fé na existência de GMM mas muitas pessoas tentaram demover-me, insistindo que tratava-se de uma invenção, de uma calúnia, de um tabú ou de uma organização não governamental corrupta que usava blogs como capa para as suas actividades ilícitas. Ao conhecer GMM, senti-me como Neo quando se apercebe que Morpheus é de carne e osso e o convida para conhecer o Matrix e fazer parte do mundo "real". Não que eu seja "the chosen one", ou que consiga esquivar-me de balas em "slow motion" (embora, na realidade, também nunca o tenha tentado) ou que consiga engatar gajas com a pinta "latex-catsuit" da Trinity. E não que GMM seja um "negão" cheio de pinta sempre disponível para um kung-fuzinho ao fim da tarde e que nunca dispensa a gabardine e óculos escuros. E, bem, não nos conhecemos no âmbito de uma perseguição diabólica mas sim numa pós-graduação na Católica. Mas confesso que, enquanto trocávamos impressões sobre o Teorema e sobre o que nos motivava a escrever e a participar na Era dos Blogs, mantive-me sempre atento à possibilidade de surgir inesperadamente algum Agent Smith (na forma, por exemplo, de algum Sócio Malvado dos nossos respectivos escritórios ou do Eng.º Sócrates a anunciar espalhafatosamente o choque tecnológico) no horizonte para que Morpheus, ou melhor, GMM, e eu pudéssemos sacar das nossas Magnum .38 e liquidá-lo devidamente (não sem antes termos proferido uma frase cool, do tipo "dodge this, asshole", e termos destruído metade dos pilares da Universidade).
Será que são os efeitos secundários de ser-se blogger? Or is it just me?